​​​​Obra de expansão da Linha 9 da CPTM atrasa e custará mais que o dobro do previsto

Governo planejava construir duas novas estações para Linha 9-Esmeralda em 18 meses. Obras, no entanto, duraram 39 meses, foram paralisadas antes do término, e custo disparou.

Trens novos comprados por Alckmin têm atraso na entrega e reprovação em testes

Eles deveriam ter sido entregues no meio do ano passado, mas, até agora, apenas 11 entraram em operação.

Justiça aceita denúncia contra ex-executivos da CPTM por lavagem de dinheiro em cartel dos trens de SP

Nove pessoas, dentre elas, ex-executivos, consultores, e ex-dirigentes da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Você Sabia?

Os perfis noticiando trarão todas as curiosidades sobre a ferrovia.

Historias

Memórias da Ferrovia.

sábado, 20 de maio de 2017

Obras de Modernização alteram a circulação de trens




Neste final de semana (20 e 21 de maio), a CPTM prosseguirá com as obras em suas linhas, que vão operar com intervalo maior entre os trens. Também haverá operação especial devido à realização da Virada Cultural.

Durante a madrugada de sábado para domingo, entre 1h e 4h, o intervalo entre os trens será de 30 minutos nas seis linhas, com todas as estações abertas para desembarque, exceto aquelas que têm integração com o Metrô, que estarão abertas para embarque e desembarque dos usuários.

Confira a programação e planeje sua viagem:

Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato)

Domingo: das 4h à meia-noite, haverá obras de modernização no sistema de rede aérea entre as estações Perus e Franco da Rocha. O intervalo médio dos trens será de 15 minutos entre as estações Luz e Pirituba e de 30 minutos entre Pirituba e Francisco Morato.


Linha 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi)

Sábado: das 20h à 1h, as intervenções serão realizadas nos equipamentos de via permanente entre as estações Imperatriz Leopoldina e Presidente Altino. O intervalo médio dos trens será de 20 minutos entre as estações Júlio Prestes e Itapevi. 

Domingo: das 4h à meia-noite, serão executados serviços no sistema de rede aérea entre as estações Santa Terezinha e Barueri. Das 8h às 20h, os trabalhos ocorrerão nos equipamentos de via permanente entre as estações Imperatriz Leopoldina e Presidente Altino. Também haverá obras de modernização no sistema de rede área nas imediações da Estação Jardim Belval. O intervalo médio dos trens será de 20 minutos entre as estações Júlio Prestes e Itapevi.


Linha 9-Esmeralda (Grajaú – Osasco)

Sábado: das 20h à 4h de domingo, a circulação ficará interrompida entre as estações Presidente Altino e Osasco devido a trabalhos nos equipamentos de via permanente. Para prosseguir viagem, os usuários devem utilizar a Linha 8-Diamante.

Domingo: das 8h às 20h, a circulação voltará a ser interrompida entre as estações Presidente Altino e Osasco devido à retomada dos trabalhos nos equipamentos de via permanente. Para prosseguir viagem, os usuários devem utilizar a Linha 8-Diamante.


Linha 10-Turquesa (Brás – Rio Grande da Serra)

Domingo: das 4h às 8h30, serão executados serviços de infraestrutura entre as estações Brás e Mooca. Das 7h às 19h, as intervenções se concentrarão nos equipamentos de via permanente entre as estações São Caetano do Sul-Prefeito Walter Braido e Utinga. O intervalo médio dos trens será de 26 minutos em toda a linha.


Linha 12-Safira (Brás – Calmon Viana)

Sábado: das 20h de sábado à 1h, o intervalo médio entre os trens será de 25 minutos em toda a linha devido às obras de implantação da Linha 13-Jade.

Domingo: das 4h até o fim da operação comercial, prosseguirão os trabalhos de implantação da Linha 13-Jade. Das 6h às 14h, também serão realizados serviços nos equipamentos de via permanente nas proximidades da Estação USP-Leste. O intervalo médio dos trens será de 25 minutos em toda a linha.
 
Desafio: a CPTM ressalta que executar as obras de modernização, mantendo simultaneamente o atendimento aos usuários, é um grande desafio. As ações exigem medidas como promover intervenções em horários de menor movimentação de passageiros aos finais de semana, feriados e madrugadas.

Em caso de dúvidas ou informações complementares, a CPTM coloca à disposição o Serviço de Atendimento ao Usuário: 0800 055 0121.
As informações são da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM

quinta-feira, 18 de maio de 2017

CPTM e Metrô funcionam ininterruptamente durante Virada Cultural​ 2017


No próximo fim de semana, o Metrô e a CPTM terão estratégia especial de operação para atender os usuários que irão prestigiar a 13ª edição da Virada Cultural, um dos principais eventos do calendário cultural da cidade.

Na madrugada do próximo sábado (20) para o domingo (21), com exceção da Linha 15-Prata (Oratório -Vila Prudente), todas as demais linhas operadas pelo Metrô, funcionarão de maneira ininterrupta. A medida também será adotada na Linha 4-Amarela (Butantã –Luz), que é operada pela Concessionária Via Quatro. Por lá, todas as estações, com exceção de Luz e República, também ficarão abertas durante a madrugada para atender o público.

A Linha 15-Prata do monotrilho, para continuidade dos testes do novo sistema de controle dos trens, o encerramento da operação comercial do sábado, como de hábito, ocorrerá à 1 hora da manhã. Durante o período de testes no domingo (21), das 4h40 às 16 horas, os usuários serão atendidos gratuitamente por ônibus do sistema PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que circularão no trecho entre as duas estações.

Na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que vai operar das 4h de sábado até a meia-noite de domingo, todas as estações permanecerão abertas. Durante a madrugada de sábado para domingo, entre 1h e 4h, o intervalo entre os trens será de 30 minutos nas seis linhas, com todas as estações abertas para desembarque, exceto as estações que têm integração com o Metrô, que estarão abertas para embarque e desembarque dos usuários.

Já na Linha 4-Amarela, a circulação dos trens ocorrerá normalmente no trecho entre as estações Butantã e Paulista. Os passageiros poderão utilizar a estação Consolação, na Linha 2-Verde, para realizar as integrações com as demais linhas metroviárias. Vale lembrar também, que as estações República (Linha 3-Vermelha) e Luz (Linha 1-Azul) do Metrô funcionarão normalmente.

As estações República e Luz da Linha 4-Amarela permanecerão fechadas durante todo o domingo para prosseguimento das obras civis no mezanino metálico da futura estação Higienópolis-Mackenzie.

Bilhetes Antecipados

Para facilitar o acesso às estações, as empresas recomendam aos usuários a compra antecipada dos bilhetes, preferencialmente com dinheiro trocado, ou o recarregamento do Bilhete Único. No Metrô, a venda de bilhetes nas bilheteiras e carregamento de créditos nos bilhetes eletrônicos em máquinas de autoatendimento poderão ser feitos normalmente nos horários de funcionamento de todas as estações.

Segurança

O Metrô e a CPTM também vão trabalhar de forma conjunta para garantir a segurança no interior do sistema. As duas empresas terão reforço no quadro de agentes que ficarão distribuídos de forma estratégica ao longo das linhas, principalmente nas estações próximas às apresentações, e os centros de Controle de Segurança farão monitoramento contínuo da movimentação do público.

Acesso de ciclistas ao sistema metroviário

Para os ciclistas que quiserem usar o sistema metroferroviário em seus deslocamentos, o acesso poderá ser feito a partir das 14h do sábado até a meia-noite de domingo, sempre considerando o limite de quatro bikes por trem e o embarque no último vagão.
Para quem vai conferir as atrações programadas para o Sambódromo, a opção é utilizar a Linha 1-Azul do Metrô, até a estação Portuguesa/Tiete, e seguir viagem em linha de ônibus da SPTrans (tarifada) que partirá do local durante toda a madrugada.
Atendimento ao usuário:

CPTM – SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário): 0800 055 0121 funciona 24 horas. O Posto de Atendimento da Estação da Luz ficará aberto das 8h às 22h no sábado e das 6h às 17h de domingo.
Metrô – Central de Informações: 0800 770 7722 funciona diariamente das 5h30 às 23h30;
ViaQuatro – Central de Atendimento da Linha 4-Amarela: 0800 770 7100 de segunda a sexta-feira, das 6h30 às 22h, e no sábado e domingo, das 8h às 18h,


Atendimento à Imprensa:

STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Tribunal de Contas de SP apura falhas na compra de trens da linha 11 da CPTM



Auditoria quer saber motivo de contrato ter sido prorrogado 5 vezes desde 2012; companhia diz que trens foram entregues e irá explicar dúvidas ao Tribunal.

Auditoria do Tribunal de Contas do Estado de São Paul (TCE-SP) identificou uma série de falhas, que estão sendo investigadas, no contrato, na execução e na construção de 9 trens comprados pela Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM) da empresa Alstom, referente ao projeto de modernização da linha 11-Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O Ministério Público já possui uma investigação que apura irregularidades nesta compra destes trens e de outros, comprados pelo governo da CAF. Reportagem especial do G1 apontou que a linha 11-Coral, para a qual os trens deveriam ter sido entregues, como a líder em problemas que paralisam a via e também a que mais gera reclamações de usuários.

Em despacho publicado no Diário Oficial do Estado nesta quarta-feira (17), relator do processo no TCE que avalia a compra, Antonio Roque Citadini, faz uma série de questionamentos à secretaria e à CPTM para entender, dentre outras coisas, os motivos que levaram o contrato de 2010, e previsto para terminar em 2012, a ser prorrogado cinco vezes. O último aditamento ocorreu em 17 abril de 2017, por mais 18 meses, alterando ainda o endereço do fornecedor.

O cronograma detalhado do contrato previa a entrega dos trens até 15 de junho de 2013 e o valor unitário de cada trem era de R$ 33,6 milhões na época. O valor total do contrato da compra dos trens ficou em R$ 338,85 milhões, mas o governo não previu, no contrato inicial, o valor do treinamento, apesar desta parte estar elencada dentre as provisões de pagamento.

Em todas as prorrogações, não há definição de quando as prorrogações começam e terminam. “É estranha a contagem do prazo feita pela Secretaria/CPTM. Ocontrato é de compra, com toda programação estabelecida no projeto básico. Por que tanta prorrogação?”, afirma o relatório de questionamentos do tribunal.

O conselheiro Citadini designou uma fiscalização para verificar a execução do contrato, verificando o motivo do prazo para entrega dos trens ter se prolongado tanto. A aquisição dos trens foi justificada na época alegando que, com as novas composições, o intervalo entre os trens na linha diminuiria de 7 para 5 minutos”.

A concorrência internacional que a Alstom se saiu vencedora era para a compra de nove trens, cada um de 8 carros cada, do tipo Gangway, que seriam para a linha 11- que liga Luz a Guaianazes e cujo projeto de sinalização e remodelação foi parcialmente financiado pelo Banco Mundial (Bird).

Ao G1, a CPTM informou que os nove trens foram entregues e estão em operação na linha 11-Coral e que tanto a companhia quanto a Secretaria de Transportes Metropolitanos irão responder aos questionamentos do TCE no prazo previsto, que é de 30 dias.

Diferenças em valores e na fabricação das composições

Entre os questionamentos do TCE estão saber se o financiamento de R$ 4,306 bilhões que o Bird repassou ao governo do estado de 2010 a 2012 incluem as reformas dos trens e das estações de Metrô e CPTM e se o mesmo convênio foi prorrogado desde então e se há prestações de contas da aplicação destes recursos.

Outra coisa que os técnicos do Tribunal de Contas não entenderam foi por que o governo de São Paulo enviou ao Banco Mundial no dia 30 de dezembro de 2012 os documentos para o pedido do empréstimo, sendo que no mesmo dia foi assinado o contrato entre a CPTM e a Alstom. Segundo o documento do TCE, “a Secretaria e a Companhia precisam explicar melhor essa coincidência, pois indica falta de reserva de recurso para a contratação”.
O TCE também não sabe se há planilhas detalhadas com os valores de preços e quantidades necessárias nos projetos básicos dos trens e como a Alstom, que é fabricante de material rodante, ganhou a licitação sem comprovar, no projeto, a fabricação e entrega dos equipamentos de ar-condicionado e nem de frenagem do trem, sem informar como estes elementos seriam fornecidos.

O Tribunal lembra que a Alstom já havia fornecido trens ao governo de São Paulo em um contrato de 2015, mas que, na época, a empresa estava associada a outras duas corporações – Bombardier e CAF – que eram fabricantes de trens e possuíam notável conhecimento na tecnologia e que a Alstom só começou a fabricar trens em 2007 no Brasil. Um aditamento de 2005 para aumentar o número de trens neste contrato foi julgado irregular pelo TCE, e as empresas foram multadas na época.

Os técnicos também não entendem qual foi a proposta técnica apresentada para o sistema de frenagem por atrito dos trens comprados e que o sistema Equipamento de Sinalização e Controle a Bordo – sistema CBTC (Communication Based Train Control) – não faz parte do contrato da compra dos trens. Um sistema para instalação foi comprado de outro consórcio em 2014 (quatro anos após a celebração do contrato para a compra dos trens)

As informações são do G1

Falha em trem paralisa trecho da Linha 12-Safira da CPTM nesta quarta


Trem série 1400 (Foto: Thalys Precechan)

Composições deixaram de circular entre as Estações São Miguel Paulista e Engenheiro Manoel Feio

As composições da Linha 12-Safira da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) não circularam durante mais de meia-hora entre as Estações São Miguel Paulista, na zona leste da capital, e Engenheiro Manoel Feio, em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, no início da manhã desta quarta-feira, 17. Um trem teve de ser rebocado por causa de uma falha na Estação Itaim Paulista, na zona leste, por volta das 6 horas.

O sistema entrou em processo de normalização em torno das 6h30 e foi normalizado às 7 horas, segundo a CPTM, apesar de passageiros ainda registrarem reflexos. O acesso às estações afetadas chegou a ser fechado, o que gerou superlotação e atrasos em toda a extensão da Linha 12, entre as Estações Brás, no centro, e Calmon Viana, em Poá, na região metropolitana.

Passageiros de outras linhas da CPTM e da Linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo, que tem interligação com a Linha 12, também registraram atrasos por causa dos reflexos da redução da velocidade.


As informações são do Estadão

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Usuários reclamam de lotação em composições


Embora tenha apresentado queda de passageiros nos últimos anos, a Linha 10-Turquesa segue alvo de reclamações por lotações diárias em suas composições.

“Desde quando eles tiraram a Estação Luz da rota (no fim de 2011) está complicado. É lotação todo dia”, relata o vendedor João Figueiredo, 45 anos.


Usuário do sistema há sete anos, o porteiro Rubens Vieira da Silva, 37, diz ter visto pouco avanço no modal no período. “A lotação só aumenta e trem que é bom, continua a desejar. Tem dia que ficam parados entre uma estação e outra durante dez minutos. Olha, precisa ter paciência”, relata.

Mesmo com a inauguração do Expresso ABC no fim do ano passado, após uma década de discussões sobre o projeto, moradores ainda pedem melhorias entre o intervalo das composições. “Com o Expresso melhorou bastante, pois agora a lotação meio que ficou dividida. Antes precisava esperar uns três trens para entregar. Mesmo assim, acho que poderiam diminuir o tempo de 30 minutos entre um trem e outro”, afirma a operadora de caixa Crislaine Caroline Coelho da Silva, 20.

Atualmente, o Expresso está disponível de segunda a sexta-feira em dois períodos: das 6h às 9h e das 16h às 19h. Pela manhã, os trens realizam o trajeto entre Santo André e Tamanduateí, na Capital. À tarde, o percurso é no sentido contrário, nos dois casos com parada apenas na Estação São Caetano da CPTM. Ao todo, são 14 viagens por dia.

A estrutura precária de estações da regiões, já denunciada pelo Diário em outras oportunidades, também é alvo de reclamações. “Quando chove, isso aqui (Estação Santo André) é terrível. As telhas estão todas quebradas, sem manutenção”, relata o comerciante Adalberto Nunes, 46. 

As informações são do Diário do Grande ABC

Em cinco anos, Linha 10 perde 8 milhões de passageiros

Trem série 2100 (Foto: Mario Lucas Musial)

Na contramão do resultado positivo alcançado por demais itinerários da Região Metropolitana, a Linha 10-Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) apresentou, nos últimos cinco anos, perda de 7,9 milhões de passageiros.

Segundo dados obtidos com exclusividade pelo Diário, no comparativo anual feito pela companhia estadual, o itinerário responsável por realizar o trajeto entre Rio Grande da Serra e o Brás, atendendo média de 181,4 mil usuários somente no Grande ABC, reduziu em 7% a quantidade de passageiros entre 2011 e 2016, passando de 110,7 milhões para 102,8 milhões.

A queda que, segundo a companhia, trata-se de uma “consequência da crise econômica que afeta todos os setores do País e do aumento do desemprego”, segue caminho contrário ao observado em todo o sistema de trens da CPTM, composto por seis linhas. No mesmo período, a companhia estadual apresentou acréscimo de 17% na quantidade de passageiros transportados entre 2011 e 2016. 

“A perda de passageiros no Grande ABC pode sim ter sido consequência da crise, mas também é necessário avaliar outros fatores. A falta de integração tarifária e também o aumento do custo do transporte público podem ter contribuído para que moradores da região que possuem um poder aquisitivo razoável tenham optado por trocar o sistema pelo transporte individual, que em alguns casos tem custo até melhor”, avalia a arquiteta, urbanista e doutora em planejamento urbano Silvana Zioni, professora da UFABC (Universidade Federal do ABC).

Embora a CPTM relate investimento de R$ 223,5 milhões em todo o itinerário da Linha 10-Turquesa, o sistema responsável hoje por atender nove estações de trens espalhadas pelo Grande ABC apresenta há tempos sinais de saturação. Além da superlotação diária, problemas estruturais em estações mostram o abandono do sistema.



Responsável pelo segundo menor volume de passageiros de todo o sistema, a Linha 10-Turquesa tem atualmente frota composta por 25 trens, no entanto, todos com ano de fabricação entre 1974-1977 (Série 2100), uma das mais antigas de toda a CPTM. Para agravar a situação, até o momento não existe previsão para que a região receba novas composições adquiridas pelo Estado (ao todo 65) e que estão sendo distribuídas desde o ano passado.

Anunciada como um dos principais investimentos do Estado no sistema, a reforma de estações de trens, incluindo paradas da região, somente deve ser efetivada em meados de 2020, conforme acordo entre a companhia e o Ministério Público Estadual.

“O Estado precisa pensar em outros modais. O sistema de trens, em curto prazo, pode ter uma saturação irreversível, que já tem acontecido”, afirma o especialista em Mobilidade Urbana Luiz Vicente Figueira de Mello Filho, professor do Mackenzie.

Segundo o especialista, projetos de monotrilho, como a Linha 18-Bronze, que, futuramente, atenderá a região, também já demonstram sinais de desgaste. “É um modelo que tem apresentado custo mais elevado que o Metrô e, na prática, tem capacidade inferior. O Estado precisa pensar em alternativas para o Grande ABC e demais áreas da Região Metropolitana, como o BRT (Bus Rapid Transit ou Transporte Rápido por Ônibus)”, avalia. 

As informações são do Diário do Grande ABC

Rede da CPTM é danificada por ato de vandalismo



Uma corda foi arremessada sobre a rede aérea da linha ferroviária próximo à estação Lapa, na Zona Oeste; Linha 8 sofre atrasos

A circulação dos trens da Linha 8-Diamante da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) está prejudicada desde por volta das 8h desta segunda-feira (15) após um ato de vandalismo. Uma corda foi arremessada sobre a rede aérea da linha ferroviária próximo à estação Lapa, na Zona Oeste, conforme informou a assessoria de comunicação da companhia.

Um trem teve de ser parado antes de chegar ao terminal para que os passageiros desembarcassem em segurança. O trecho entre a Lapa e a estação Palmeiras-Barra Funda da Linha 8 chegou a ser interditado para um reparo emergencial.

Os trens voltaram a circular antes das 9h, mas com velocidade reduzida entre as estações Júlio Prestes e Imperatriz Leopoldina. Funcionários ainda trabalhavam por volta das 9h10 na substituição de peças danificadas e ainda não havia, neste horário, previsão para a normalização total do sistema.

As informações são da Revista Veja